LEGO + Educação – Parte 2

Continuando a série sobre LEGO e Educação, nesse post vou disponibilizar uma entrevista com o CEO da LEGO Education no Brasil – Álvaro Cruz. Ele foi entrevistado pelo Educast, um podcast da Educartis do Brasil.

Álvaro Cruz

A entrevista está disponível logo abaixo. É só pressionar “Play” para ouvir.

http://www.pucsp.br/cecrei/antigo/le/alvarocruz.mp3″

Quem quiser ver o link original pode acessar aqui

Anúncios

LEGO + Educação

Bom, vou começar algo que já estava querendo fazer faz um tempo… Muitos blogs que leio tem a idéia de publicar alguma série de notícias relacionadas com um assunto específico. Então vou fazer o mesmo. Para começar vou falar sobre LEGO e Educação. Tenho alguns materiais muito interessantes sobre isso.


O primeiro que vou publicar… e já está mega atrasado… é o do Centro Educacional Änima (http://www.anima.g12.br). Um dos leitores do blog – Marcelo Molina – me mandou (já faz um bom tempo) diversas fotos do centro. É um centro que utiliza o projeto da LEGO Education. Aqui vão as palavras do Molina explicando melhor tudo:

Centro Educacional Änima

O projeto da Lego Education é utilizado desde o segundo semestre de 2006.

Começamos com o ensino fundamental 1 utilizando o kit 9654 da Lego com peças em Lego Duplo para as séries de 1º e 2º anos. Os mecanismos de engrenagens e polias possibilitam aos alunos entenderem os conceitos tecnológicos básicos. Como funcionam as polias, as engrenagens, caixa de redução, os conceitos de alavancas, rodas e eixos. Tudo sendo passado com muita imagem colorida e lúdica. As crianças adoram. O kit 9645 é o kit direcionado para as turmas de 3a e 4a série e as peças usadas são os bricks simples e os conjutos da technics. As vigas são largamente usadas para criação de estruturas mais complexas e o motor já permite movimentos mecânicos independentes e automáticos.

As montagens são mais complexas e é a aula mais esperada pelas crianças.

No início deste ano começamos com o kit mindstorms for school onde além de uma quantidade de peças razoavelmente maior entra a adição dos sensores e do cérebro eletrônico onde é possível transmitir as programações do computador para o robô.

A escola possui um foco bem direcionado para a educação tecnológica e a Lego Educacional se encontra em todas as etapas da escola. Desde o Maternal até a 8a série, o aluno passa pelos kits educacionais desenvolvendo coordenação motora, habilidade de raciocínio, criatividade, lógica e programação.

A multidisciplinaridade também é bem evidenciada quando misturamos os conteúdos de matemática, ciências, história e português.

Vou usar as palavras do nosso diretor:”

Sobre os cursos: “Conhecimento é apenas parte da compreensão. A verdadeira compreensão vem com a experiência adquirida”.

Dr. Seymour Papert
Professor of Learning Research
Massachusetts Institute of Technology – MIT, USA

É verdade que o futuro já chegou. Vivenciamos seus benefícios diariamente – temos energia elétrica, transporte acessível, computadores que simplificam diversas tarefas… O homem pode voar, se comunicar instantaneamente com pessoas do outro lado do mundo e tem o poder para inventar praticamente qualquer coisa.

Como pessoas usuárias dessas tecnologias, somos leigos para seu funcionamento. Poucos sabem construir um avião ou entender como um computador funciona. A tecnologia está no nosso dia-a-dia, mas não entendemos como funcionam. Os cursos de robótica do Änima têm o objetivo de despertar a curiosidade sobre o por que e o como as coisas funcionam.

O Prof. Seymour Papert, do MIT, defende que as pessoas aprendem melhor quando constroem alguma coisa que, para elas, é pessoalmente significativa e gratificante, como uma história, um castelo, ou um robô. É exatamente o que fazem os cursos de robótica.

Especificamente, são transmitidos, com linguagem apropriada a cada faixa etária, processos organizacionais para o desenvolvimento de projetos, promovendo o trabalho em equipe, desafiando a capacidade para a resolução de um mesmo problema por diversas vias, incentivando a pesquisa e desenvolvendo o senso de curiosidade.

Ao longo do curso os participantes devem documentar seus projetos, de modo a explorar e compartilhar suas descobertas e seus desafios, construindo (além dos robôs) um relatório que mostrará claramente a evolução durante o processo.

Como meta final, cada grupo deverá construir um robô que resolva algum problema específico e cumpra missões pré-estabelecidas. Com isso, os participantes aprendem a trabalhar focados em um problema e descobrem que não há somente uma resposta correta, mas várias possibilidades que podem exploradas. Tudo isso é feito de forma concomitante à cooperação, à ética e à responsabilidade.”


Obrigado Molina pelas fotos e parabéns pelo grande trabalho que vocês realizam!